quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Meditação Andando, Parte 15 - Série Thich Nhat Hanh

MEDITAÇÃO ANDANDO
GUIA PARA A PAZ INTERIOR
de THICH NHAT HANH,
Editora Vozes, 1991.
 
15. Cadência.
Deixe-me falar um pouco mais sobre a arte de contar. Se você ajustar seus passos, a contagem se torna mais fácil. Sua respiração pode não ser suficientemente longa para cobrir 3 passos e só durar 2 passos e meio. Nesse caso, você tem que acelerar um pouco a forma a que seus 3 passos caibam dentro de uma respiração, ou então você tem que diminuir a velocidade de forma a que 2 passos caibam numa respiração. Agora, mantenha esta cadência enquanto conta e respira.

A expiração pode ser mais longa que a inspiração, especialmente para os que estão começando a praticar. Depois de um tempo de observação, você poderá determinar o ritmo natural de sua respiração em relação aos seus passos. Poderia ser, por exemplo, 3 passos/3 passos ou 2 passos/3 passos. No primeiro caso a inalação e exalação são iguais 3/3. No segundo, a inalação é mais curta do que a exalação 2/3.

Se você der 2 passos para inspirar e 3 para expirar, fixe em sua mente que 2/3 é seu padrão de respiração. Essa forma de respirar é confortável para seus pulmões e permite que você caminhe por longo tempo sem ficar cansado.

Quando você caminha por uma subida ou uma descida, sua respiração pode se tornar irregular. Procure, nesse caso, respeitar a necessidade de seus pulmões.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Caboclos Baianos


CABOCLOS BAIANOS

A Linha dos Baianos é formada por Espíritos alegres, brincalhões e descontraídos. Gostam muito de desmanchar demandas. São conselheiros e orientadores e gostam muito dos rituais em que trabalham, girando e dançando com passos próprios.

Bebem batida de coco, água de coco e trabalham com coco, pemba, ervas...

Durante as giras sempre dão demonstrações de intensa alegria, apresentando fortes traços regionais, usando chapéus de couro ou palha, lembrando os Cangaceiros. Com seu jeito valente, não levam desaforo para casa. Por outro lado, possuem também características de pacientes, e todos gostam de ouvir seus conselhos.

Costumam ser também carinhosos, e passam sempre segurança.Os Baianos que se apresentam na Umbanda com sua roupagem fluídica, muitos deles são Espíritos ligados ao Nordeste do nosso País, que viveram ou passaram parte de sua vida em Estados dessa região. Tiveram suas lições e aprenderam muito com os Mestres do Catimbó e da Pajelança, também foram antigos Pais e Mães de Santo. São os Espíritos responsáveis pela “esperteza” do homem em sua jornada terrena.

O Povo Baiano vem ao Terreiro para trazer seu Axé, sua Energia Positiva. A gira é sempre muito animada. São Entidades que tem muito a nos ensinar, sempre com uma resposta certeira e rápida para nossas questões. Com seus cocos, azeite de dendê e cantigas, realizam trabalhos em prol da evolução espiritual de todos.

No desenvolvimento de suas giras, os Baianos trazem como mensagem a forma e o saber lidar com as adversidades de nosso dia-a-dia, com a alegria, a flexibilidade, a magia e a brincadeira sadia.

Médiuns introspectivos, quando incorporados de seu Baiano ou Baiana acabam se libertando e demonstrando alegria e descontração. Outros, que já são descontraídos por sua própria natureza, aprendem a desenvolver com seus Baianos outras qualidades, como a força de viver diante dos problemas e situações cotidianas e o amparo ao próximo, transformando a tristeza em alegria e esperança. O que se pode dizer é que estamos sempre aprendendo com os Baianos.

As Linhas de Baianos, assim como as de Boiadeiros são oriundas de manifestações de regiões brasileiras dentro da Linha de Caboclos.

Salve os Baianos!!!

“ELE É BAIANO
ELE ARREBENTA A SAPUCAIA
Ê MEU PAI,
ELE ARREBENTA SAPUCAIA
ELE É DA BAHIA
ESSE BAIANO VALE OURO
ELE É DA BAHIA
SALVE O SEU CHAPÉU DE COURO”
 
Fonte:
TEMPLO ESPIRITUALISTA DO CRUZEIRO DA LUZ
CABANA DO CABOCLO ROMPE MATO
Av. do Cursino, 3166 – Vl. Moraes/Saúde
São Paulo – SP   
Telefone: (11) 8555-8980
WWW.cabanarompemato.net

Caboclos Boiadeiros

A música Disparada, de Jair Rodriguês, vencedora do Festival da Música de 1966 é, ao meu ver, uma canção inspirada e que muito bem pode ser uma ode aos Caboclos Boiadeiros. Leia a música transcrita logo abaixo e analise-a sob a ótica Espírita. Após a letra, vém os textos referentes à essas queridas entidades da Umbanda, os Boiadeiros.

Jair Rodrigues

Prepare o seu coração pras coisas que eu vou contar
Eu venho lá do sertão, eu venho lá do sertão
Eu venho lá do sertão e posso não lhe agradar
Aprendi a dizer não, ver a morte sem chorar
E a morte, o destino, tudo, a morte e o destino, tudo
Estava fora do lugar, eu vivo prá consertar
Na boiada já fui boi, mas um dia me montei
Não por um motivo meu, ou de quem comigo houvesse
Que qualquer querer tivesse, porém por necessidade
Do dono de uma boiada cujo vaqueiro morreu
Boiadeiro muito tempo, laço firme e braço forte
Muito gado, muita gente, pela vida segurei
Seguia como num sonho, e boiadeiro era um rei
Mas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo
E nos sonhos que fui sonhando, as visões se clareando
As visões se clareando, até que um dia acordei
Então não pude seguir valente em lugar tenente
E dono de gado e gente, porque gado a gente marca
Tange, ferra, engorda e mata, mas com gente é diferente
Se você não concordar não posso me desculpar
Não canto pra enganar, vou pegar minha viola
Vou deixar você de lado, vou cantar noutro lugar

Na boiada já fui boi, boiadeiro já fui rei
Não por mim nem por ninguém, que junto comigo houvesse
Que quisesse ou que pudesse, por qualquer coisa de seu
Por qualquer coisa de seu querer ir mais longe do que eu

Mas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo
Já que um dia montei agora sou cavaleiro
Laço firme e braço forte num reino que não tem rei


Caboclos Boiadeiros

O corpo começa a estremecer, o coração bate mais forte e a força, a coragem, a determinação, a sabedoria, a seriedade e a alegria tomam conta do mental e do emocional do médium que rapidamente gira, começando a dançar e a movimentar seu chicote e ao gritar: “Ô! Boi” demonstrando o vigor e a força do Boia­deiro, agora em terra. O plano astral inferior estremece, não se tem mais como escapar do laço do Boia­deiro que rapidamente envolve todos os seres negativos que perturbam o médium e a Casa Santa. Com amparo de Ogum, seu Orixá protetor, o boiadeiro encaminha todos esses malfeitores para o domínio da Lei, onde serão refreados e re­di­re­cionados com a grande oportunidade de Evolução, demonstrando um grande trabalho de caridade e principalmente de amor ao próximo.

Boiadeiro na Umbanda são entidades espirituais de homens que se ligam ao trabalho no campo, na rudeza da condução do gado, operam nos terreiros com seu laço e seu grito característico capturando espíritos decaídos e kiumbas que atormentam os consulentes, encaminhando-os para guias espirituais de socorro destes seres desencarnados.

São espíritos ligados à vida de vaqueiros, posseiros, capatazes, e espíritos afins. Sabem que a prática da caridade os levará a evolução, trabalham incorporados na Umbanda. Fazem parte da linha de Oxossi, como Caboclos que são, agindo em diferentes funções.

Formam uma linha de espíritos que assumem roupagem espiritual mas ligados à modernidade do que os caboclos índios que representam em suas manifestações os povos indígenas, portanto mais primitivos.

São seguros nas suas incorporações, com gestos velozes e pouco harmoniosos. Sua maior finalidade não é o aconselhamento, embora alguns o façam, e sim o “dispersar de energia” aderida a corpos, paredes e objetos. É de extrema importância essa função pois enquanto os outros guias podem se preocupar com o teor das aconselhamentos essa linha “sempre” atenta a qualquer alteração de energia local (entrada de espíritos).

Quando bradam alto e rápido, que é uma ação mantrica, estão, na verdade, ordenando a dispersão de energias pesadas e negativas, e obrigando espíritos sombrios que entraram no local a se retirarem.  Assim, “limpam” o ambiente para que a prática da caridade continue sem alterações, já que a presença dessas energias muitas vezes interferem nos aconselhamentos mediúnicos.

Os espíritos sombrios atendem a boiadeiros pela demonstração de coragem que os mesmos lhes passam e são levados por eles para locais próprios de doutrina.

Outra grande função de um boiadeiro é manter a disciplina das pessoas dentro de um terreiro, sejam elas médiuns da casa ou consulentes. Costumam proteger demais seus médiuns nas situações perigosas. “Gostar” para um boiadeiro, é ver no seu médium coragem, lealdade e honestidade, aí sim é considerado por ele “filho”. Pois ser filho de boiadeiro não é só tê-lo na coroa mediúnica.

Os Boiadeiros vêm dentro da Linha de Oxossi, dos Caboclos. Eles são entidades que representam a natureza desbravadora, romântica, simples e persistente do homem do sertão, “o caboclo sertanejo”. São os Vaqueiros, Boiadeiros, Laçadores, Peões, Tocadores de Viola. O mestiço Brasileiro, filho de branco com índio, índio com negro e assim vai.

Representam, misticamente, os que sofreram preconceitos, como os “sem raça”, sem definição de sua origem. Ganhando a terra do sertão com seu trabalho e luta, mas respeitando a natureza e aprendendo, um pouco com o índio: suas ervas, plantas e curas; e um pouco do negro: seus Orixás, mirongas e feitiços; e um pouco do branco: sua religião (posteriormente misturada com a do índio e a do negro, sincretismo) e sua língua, entre outras coisas.

Os Boiadeiros representam a própria essência da miscigenação do povo brasileiro: nossos costumes, crendices, superstições e fé.

No Terreiro os Boiadeiros vêm “descendo em seus aparelhos” como estivessem laçando seu gado, dançando, bradando, enfim, criando seu ambiente de trabalho e vibração.

Com seus chicotes e laços vão quebrando as energias negativas e descarregando os médiuns, o terreiro e as pessoas da assistência.
Em grande parte, o trabalho dos Boiadeiros ”e no descarrego, no passe e no preparo dos médiuns.

Os Boiadeiros em seus trabalhos bebem vinho ou marafo (aguardente) e fumam cigarro, cigarro de palha e charutos.

Gostam de bebida forte como por exemplo cachaça com mel de abelha, que eles chamam de meladinha, mas também bebem vinho. Fumam cigarro, cigarro de palha e charutos.

Alguns usam chapéus de boiadeiro, laços, jalecos de couro, calças de bombachas, e tem alguns, que até tocam berrantes em seus trabalhos. Nomes de alguns boiadeiros:
Boiadeiro da Jurema, Boiadeiro da Mina, Boiadeiro do Lajedo, Boiadeiro do Rio, Carreiro, Boiadeiro do Ingá, Boiadeiro Navizala, Boiadeiro de Imbaúba, João Boiadeiro, Boiadeiro Chapéu de Couro, Boiadeiro Juremá, Boiadeiros Menino, Zé Mineiro, Boiadeiro do Chapadão, etc …

Sua saudação: Jetruá Boiadeiro, Xetro Marrumbaxêtro

Via: Flecha de Luz - www.cruzeirodaluz.org 
 Sobre os Boiadeiros

Em nossa última passagem pela Terra fomos filhos da terra, aqueles que dela viveram, dela extraímos a raiz de cada dia, o alimento da família e a esperança.
Montado no lombo de um cavalo ou boi pastávamos não os animais, mas ao som do berrante era possível berrar ao Pai Criador que olhasse por nós.
Eu fui peão, cuidei de muitas fazendas e deixei muitos fazendeiros ricos, estranhamente não respingava no meu bolso a pataca que no deles enchia. Tampouco me queixava disso, afinal, não saberia viver com luxo, gostava mesmo da rede amarrada no batente da simples varanda, ali eu podia descansar meus ossos.
Pra que se tenha mais entendimento, nós somos os verdadeiros sertanejos, aqueles que vivem na ferida do Brasil, é uma chaga que não se fecha e com o andar da carruagem periga que esta chaga tome o corpo todo desta terra varonil.
Não vou ficar a falar de minha pessoa e nem desta realidade brasileira, vou logo palestrar sobre nós como amigos trabalhadores do mundo invisível.
Parece que a linha dos boiadeiros é nova, mas não é não. Já manifestávamos em terreiros, tendas e barracões de muitas variantes do culto afro. No Catimbó é mais notável nossa presença.
Quando começou o movimento Umbanda no Astral é que nos organizamos e aguardamos a oportunidade de aparição dos terreiros deste culto. Assim foi ocorrendo de forma regional até que nos alastramos por todos terreiros de Umbanda.
Mas engana-se aquele que hoje pensa que esta linha de trabalho é composta por homens e mulheres da terra. Nem todos, aqui tem uma mistura grande.
Também tem o machista que prega não existir mulher na linha boiadeiros, então o que faríamos com as amazonas? Ou tantas "Marias Bonitas" que guerrilharam por uma vida melhor???
Outro tanto de companheiros nesta linha são Ex-Exus, ou seja, espíritos que atuaram no Grau Exu, lá nas esferas mais baixas e que após receber a graça de se graduar na luz tem que passar por uma linha transitória. Eis a chave do nosso "mistério". Boiadeiro enquanto Grau é um Grau de transição para espíritos que aguardam seu alocamento mais definitivo.
Neste período vamos trabalhando na Lei, colocando ordem na fronteira do meio fio entre luz e trevas, já esta tênue linha existe dentro de cada um de nós, logo a oportunidade de trabalhar a ordem na fronteira, nos nossos semelhantes encarnados e desencarnados é a forma que o Criador achou para que nós pudéssemos fortalecer a ordem dentro de nós mesmo.
Com nosso laço, visto pelos clarividentes, este serve para buscar os zombeteiros e perturbadores. Nossa corda é infinitamente "elástica" e de onde estivermos se localizarmos um ponto negativo e um perturbador, dali lançamos o laço e no laço quebramos o mal.
Somos comumente chamados nos terreiros para limpeza pesada, pois somos mesmo aquele que retira a carga pesada, quando batemos nosso pé e gritamos nosso boi, não sobra mal algum em nosso redor.
Por fim nosso arquétipo é o sertanejo, o brasileiro do sertão, quer seja o guerrilheiro lampião ou o tocador de gado. No entanto nem todos foram assim.Vou tocando meu gado por aqui e desejo que o Criador lhe ilumine!



Getuá Boiadeiros!

Curso em SP - MAGIA DIVINA DAS SETE ENERGIAS SAGRADAS


ESCOLA DE MAGIA DIVINA

DE RUBENS SARACENI

 CONVITE A TODOS OS NOSSOS AMIGOS E LEITORES DO JNU.

 MAGIA DIVINA DAS SETE ENERGIAS SAGRADAS

- "Convidamos à todos para fazerem a MAGIA DIVINA DAS 7 ENERGIAS SAGRADAS, uma das mais poderosas entre os graus já abertos, sendo que o iniciado poderá trabalhar com seus poderes tanto mentalmente e sem o uso de qualquer elemento, quanto poderá trabalhar através de elementos, usados como transmutadores  de padrões vibracionais da energias vivas e divinas”.

Um dos mais destacados campos de ação desta magia divina é o da cura de doenças através do espirito das pessoas doentes.

Outro campo onde ela atua de forma maravilhosa é o de cura de espíritos sofredores que acompanham as pessoas atribuladas por negativismos os mais variados.

Seu poder de anulação de magias negras é tão grande que sua ação é capaz de transmutar toda uma ação magica negativa e colocar as mesmas forças, invocadas para atuarem negativamente, para trabalharem a favor de suas vitimas, devolvendo-lhes a paz e a harmonia.
 
INSCRIÇÃO:  DIA 2/09, SEXTA-FEIRA, no horário das 20h00 às 22h00.
   DIA 3/09, SÁBADO, no horário das 16h00 às 18h00.
   DIA 3/09, SÁBADO, no horário das 18h00 às 20h00.
   DIA 4/09, DOMINGO, no horário das 10h00 às 12h00.
   DIA 5/09, SEGUNDA-FEIRA, no horário das 20h00 às 22h00.

Reservas pelo telefone: (11) 4221-4288
E-mail: contato@colegiodeumbanda.com.br
Endereço: à Rua Serra da Bocaina, nº 427 – Belém. Capital. SP.
Próximo à estação Belém do Metro

OBS.: Este curso é somente para pessoas da Grande São Paulo.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Meditação Andando, Parte 14 - Série Thich Nhat Hanh

MEDITAÇÃO ANDANDO
GUIA PARA A PAZ INTERIOR
de THICH NHAT HANH,
Editora Vozes, 1991.
 
14. Contando a respiração enquanto se caminha andando.
 
Respirar conscientemente é diferente de respirar inconscientemente. Quando você respira com a mente desperta, você sabe que está respirando. Se fizer uma repsiração longa, vocÊ sabe que está fazendo uma respiração longa; se fizer uma respiração curta, você sabe que está fazendo uma respiração curta.  Quando fizer uma respiração suave, você sabe que está respirando suavemente. Talvez você se pergunte: "Como posso prestar atenção na respiração e no andar ao mesmo tempo?" Você pode, desde que sincronize a respiração com os seus passos. Você pode fazer isso contando não a respiração, mas os passos. Isto é, conte quantos passos você dá enquanto está inspirando e quantos, enquanto está expirando. Esta é o método que comecei a usar há cerca de 15 anos atrás e o estou compartilhando com você agora.

Ande mais devagar do que de costume, mas não devagar demais, enquanto respira normalmente. Não tente controlar sua respiração. Caminhe assim por alguns minutos. Anote então quantos passos você dá enquanto o seu pulmão se enche de ar e quantos, enquanto ele se esvazia. Dessa forma, sua atenção inclui respiração e passos. Você está consciente de ambos. A contagem é a ligação. E seu leve sorriso emprestará calma e prazer tanto a seus passos quanto à sua respiração. Ele ajuda a manter a sua atenção e ele próprio também é objeto de atenção. Após algumas horas de exercício sério, você notará que os quatro - respiração, contagem, passos e leve sorriso - mesclam-se numa harmoniosa integração. Isso é a equanimidade criada pela prática da meditação andando: os quatro elementos se tornam um.

Meditação Andando, Parte 13 - Série Thich Nhat Hanh

MEDITAÇÃO ANDANDO
GUIA PARA A PAZ INTERIOR
de THICH NHAT HANH,
Editora Vozes, 1991.
 
13. Colar de pérolas.
 
Seu leve sorriso e seus passos serenos são como pérolas, claras e brilhantes. São lindas mas estão separadas.
A respiração é o fio que junta uma à outra, formando um colar. Tome consciência de sua respiração e sua meditação andado será verdadeiramente frutífera.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Meditação Andando, Parte 12 - Série Thich Nhat Hanh

MEDITAÇÃO ANDANDO
GUIA PARA A PAZ INTERIOR
de THICH NHAT HANH,
Editora Vozes, 1991.
 
 12. Sorria como Buda.

Ao mesmo tempo que estiver se desvencilhando da carga das mágoas e preocupações, vivifique seu rosto com um sorriso. Pode ser apenas o asboço de um sorriso, mas guarde-o nos lábios como o leve sorriso de Buda. Você pode fazer isso já. Por que esperar até que se torne um Buda? Seja um Buda aqui e agora, neste exato momento.

Falei do leve sorriso de Buda e de sua eficácia no meu livro Para Viver Em Paz - O milagre da mente alerta. Esse sorriso é fruto da consciência e da alegria que a paz de espírito dá. Mas também nutre e preserva esta consciência e alegria da paz. É realmente maravilhoso! Esse leve sorriso traz paz e alegria não só para você, mas também para todas as pessoas que estão ao seu redor. Ele transforma Samsara em Terra Pura. Não esqueça de mantê-lo nos lábios quando estiver praticando a meditação andando. Ele dará um leve e ágil fluir a seus passos, além de mais consciência, mais paz e alegria.

Esteja consciente de sua respiração; isso também irá nutrir seus passos. Conscientizar-se da respiração é uma forma eficaz e maravilhosa de conservar sua mente alerta e sua paz.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Dia de Oxumaré - 24 de agosto.


6º Raio – Linha do Amor - Amor e Devoção – OXUM/ OXUMARÊ

“Que o arco-íris de Oxumarê transporte para o infinito minhas orações e que me traga as respostas divinas, de acordo com o meu merecimento.”

Oxumarê, tal como revela a lenda dos orixás, é a renovação contínua, em todos os aspectos e em todos os sentidos da vida de um ser. Sua identificação com Dã, a Serpente do Arco-Íris, não aconteceu por acaso, pois Oxumarê irradia as sete cores que caracterizam as sete irradiações Divinas que dão origem às Sete Linhas de Umbanda. E ele atua nas sete irradiações como elemento renovador.

Oxumarê está na Linha da Fé como elemento renovador da religiosidade dos seres.

Ele está na Linha da Concepção como renovador do amor e da sexualidade da vida dos seres. 

Está na Linha do Conhecimento como renovador dos conceitos, teorias e fundamentos. 

Está na Linha da Justiça como renovador dos juízos.

Oxumarê está na Linha da Lei como renovador das ordenações que acontecem de tempos em tempos.

Ele está na Linha da Evolução como a renovação das doutrinas religiosas, que aperfeiçoam o saber e aceleram a evolução dos seres. 

Está na Linha da Geração como a renovação ou como o próprio reencarne, que acontece quando um espírito troca a pele, tal como faz Dã, a Serpente Encantada do Arco-Íris.

No Arco Íris, que é formado a partir da luz solar nas gotículas da água em evaporação, encontramos a presença irradiante da vibração energética de Oxumarê.

Saudação: Arrobobôi
Sincretismo: São Bartolomeu
Elemento: Água
Ramificação: Evaporação
Data comemorativa: 24 de agosto


Eu sou o Arco-Íris Divino

Através de meu Pai, de sua Lei e Justiça, distribuo a renovação aos

Filhos da Terra,

Do centro do Amor Divino, suas Sete irradiações descem até  aos

homens, e eu as renovo.

ARROBOBÔI OXUMARÊ

Fonte: TEMPLO ESPIRITUALISTA DO CRUZEIRO DA LUZ - CABANA DO CABOCLO ROMPE MATO.
Av. do Cursino, 3166 – Vl. Moraes/Saúde
São Paulo – SP
Telefone: (11) 8555-8980
www.cabanarompemato.net

São Bartolomeu - 24 de agosto.

Por ser sincretizado com Oxumaré, trazemos o texto a seguir, sobre São Bartolomeu, da Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Bartolomeu)

São Bartolomeu Apóstolo foi um dos apóstolos  de Jesus Cristo.

Seu nome vem do aramaico, com uma referência patronímica: Bar Talmay - filho de Talmay. Há historiadores que também mantêm uma referência patronímica, mas dá outro significado para o nome: Bar Ptolomeu - Filho de Ptolomeu. Esta última hipótese não é inverossímil, visto que Ptolomeu (suposto pai de Bartolomeu) possuía um prenome grego, e a cultura grega tinha uma grande influência na Judéia da época.

Nenhuma narração bíblica lhe enfoca especialmente e seu nome consta apenas nas listas dos doze. No entanto, segundo a tradição, ele é o Natanael de que falam outras passagens, e isso fica evidente através da comparação entre os quatro Evangelhos. Natanael significa "Deus deu" - o significado desse nome fica claro levando-se em conta que ele vinha de Caná, onde deve ter testemunhado a ação de Jesus nas Bodas de Caná (Jo 2, 1-11).

Como narra a Bíblia, São Filipe comunicou a Natanael (São Bartolomeu) que havia encontrado o Messias, e que esse provinha de Nazaré, ao que Natanael responde dura e preconceituosamente: "De Nazaré pode vir alguma coisa boa?" (Jo 1, 46a). Essa observação é importante indicador das expectativas judaicais quanto à vinda do Messias, então tidas.

No seu primeiro encontro com Jesus, recebe um elogio: "Aqui está um verdadeiro Israelita, em quem não há fingimento" (Jo 1, 47), ao qual o apóstolo responde: "Como me conheces?". Jesus responde de forma que não podemos compreender claramente somente através das Escrituras: "Antes que Filipe te chamasse, eu te vi quando estavas sob a figueira". Com certeza se tratava de um momento crítico e decisivo na vida de Natanael. Após essa revelação de Jesus, Natanael faz a sua adesão ao Mestre com a seguinte profissão de fé: "Rabi, tu és o filho de Deus, tu és o Rei de Israel".

Segundo fontes históricas, São Bartolomeu teria pregado o cristianismo até na Índia. Outra tradição diz que o apóstolo morreu por esfolamento em Albanópolis, atual Derbent, na província russa de Daguestão junto ao Cáucaso, a mando do governador, tanto que na Capela Sistina ele é pintado segurando a própria pele na mão esquerda e na outra o instrumento de seu suplício, um alfange. Segundo a Igreja Católica, mais tarde suas relíquias foram levadas para a Europa e jazem em Roma, na Igreja a ele dedicada.

Meditação Andando, Parte 11 - Série Thich Nhat Hanh

MEDITAÇÃO ANDANDO
GUIA PARA A PAZ INTERIOR
de THICH NHAT HANH,
Editora Vozes, 1991.
 
11. Liberte-se da carga conscientemente.
Preocupações e mágoas aderem às nossas vidas e nosso desejo é nos desfazermos delas. De que forma conseguir isso?

Dê passos firmes e calmos. Dê passos corajosos. Esteja alerta e decidido, alerta à carga de preocupações e sofrimentos que carrega, e decidido na sua determinação de jogar fora essa carga. Pergunte a si mesmo: "Por que carregar esse peso todo sobre meus ombros?"

Tome consciência de que está de fato carregando uma bagagem pesada e tenha compaixão de si mesmo. Você só pode ter compaixão dos outros quando conseguir ser compassivo consigo mesmo. E você terá compaixão de si mesmo quando se der conta de que está, de fato, dobrado sobre o peso de suas mágoas e preocupações. Você entenderá que carregá-las não o ajuda a resolver nenhum problema. Ao contrário, só impede sua paz e alegria.

Diante dessa tomada de consciência, decida atirar fora essa carga. É só querer. VocÊ pode fazê-lo do mesmo modo que, ao tirar uma capa impermeável, você sacode os pingos de chuva que a ela aderiram.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Aprenda a distinguir um templo de Umbanda



Comentário do Pai de Santo:

Você que hoje nos visita, leia atentamente as linhas seguintes. Esse procedimento visa orientá-lo em relação à religião que praticamos e procura também de certa forma, pedir sua compreensão no sentido de nos ajudar a separar o joio do trigo. 

Infelizmente, alguns individuos mascaram-se de Umbandistas, na intenção de explorar pessoas desavisadas ou desesperadas. 

Se no futuro você conhecer alguém que visita ou freqüenta locais como os que descrevemos a seguir, alerte-as sobre o perigo que correm de serem iludidas, de se tornarem vítimas de espertalhões ou gente de má índole, cujo único objetivo é explorar financeira e materialmente essas pessoas. 

Se voce visitante divergir das informações que transmito a seguir ou desejar maiores informações sobre o assunto, por favor, entre em contato.

O verdadeiro umbandista tem deveres com sua religião, uma delas é desmarcarar médiuns desonestos e isso é possivel através da má conduta do mau médium, eis os sinais:

MAUS SINAIS - (Em locais intitulados de "Umbanda" em suas portas).

1 - Procure sentir o ambiente e a proximidade das pessoas que trabalham nesse templo. Se você se sentir mal, perceber antipatias, sentir opressão ou mal estar, vá embora! É o seu Anjo da Guarda tentando desesperadamente lhe avisar que esse local não é aconselhável.

2 - Se nesse local cobram consultas, trabalhos, descarregos, etc., ainda que na forma de presentes ou sob o pretexto de doações espontâneas para Jesus, saia imediatamente do local. Vá embora! Os Guias da Umbanda nada cobram para trabalhar e ajudar as pessoas. Os espíritos de luz afastam-se dos templos que usam o nome de Deus, de Jesus ou dos bons espíritos como escada por onde seus dirigentes possam subir materialmente. Portanto, nunca esqueça: se lhe pedirem dinheiro, seja para o que for, não dê, porque na realidade eles não querem ajudá-lo. São exploradores da fé alheia, gente de mal caráter que tem apenas um objetivo: extorquir o dinheiro daqueles que os procuram. (Qualquer templo de Umbanda como qualquer igreja necessita de ajuda financeira, afinal igreja não é comércio para se auto manter financeiramente. No entanto, essa ajuda financeira deve partir da associação dos médiuns de uma casa e essas contribuições são minimas. Qualquer local que cobre pelo atendimento indica claramente que alguém está se beneficiando do dinheiro arrecadado, raciocine!) 
Mas por que será que existem locais que cobram?
Existem locais que cobram porque existem pessoas dispostas a pagar para fazerem tudo de mal em relação ao próximo. Como a Umbanda (praticada por gente séria) não faz conchavos com vagabundos, passam eles a procurar por aqueles que  atendam a seus pedidos de baixa moralidade e nessa situação, passam a ser vitimas dos quimbandeiros e outros tipos de exploradores que se intitulam umbandistas, MAS NA REALIDADE NÃO SÃO

 
3 - Se nesse local lhe disserem: nossos trabalhos são caros, mas são garantidos, vá embora! É mentira e eles só querem o seu dinheiro.

4 - Se o dirigente do templo (Pai de Santo, Babalaô ou Babalorixá como é chamado, ele ou ela) bebe, cheira mal, cheira a pinga azeda, fala palavrões dentro do templo, comparece aos trabalhos com roupas sujas ou tem péssimo conceito ou fama, saia imediatamente do local. Porque é ele (ou ela) quem precisa de ajuda espiritual, pois trata-se de pessoa altamente perturbada e perseguida por espíritos malignos.

5 - Se o ambiente estiver sujo ou se você sentir cheiro de carniça na porta de entrada do templo, ou ainda se você perceber que fazem matanças de animais, retire-se imediatamente do local! Nesse local não é praticada Umbanda e sim, Quimbanda (Magia Negra). Usam o nome da Umbanda, dos nossos Guias e protetores e mascaram-se de umbandistas para atrair pessoas desavisadas, incautas, ou desesperadas para, em seguida, explorá-las.

6 - Existem templos de Umbanda que usam velas pretas ou vermelhas e pretas (metade de cada cor) dentro do local conhecido como tronqueira (fica fora do templo) e é destinado aos exús, por serem essas as cores dos exús que guardam as portas dos templos de Umbanda. Porém, se tais velas forem acesas dentro do templo ou no altar, saia imediatamente do local. O uso de velas pretas ou vermelhas e pretas em rituais de Umbanda não existe. Se esse procedimento é adotado é prova que esse templo não é de Umbanda.

7 - Se nesse local lhe pedirem para sacrificar aves ou qualquer animal, em troca de alguma coisa que você esteja precisando, vá embora imediatamente do local. Lá não é praticada Umbanda. Se você entregar o animal para um sacrifício, você estará alimentando um espírito imundo e maligno, que tem interesse apenas no sangue derramado no sacrifício - são conhecidos como "vampiros", muito comuns nos trabalhos de Quimbanda. Aquele que cede a sacrifícios de animais atrai problemas, mazelas e perseguições desse espírito maligno. Tudo o que ele puder lhe conceder hoje com uma das mãos, ele lhe tomará amanhã com as duas mãos com o objetivo de forçá-lo a procurar por ele novamente, para que ele possa novamente explorá-lo. Nunca sacrifique um animal e não permita que o façam. Os guias da Umbanda possuem as forças necessárias para resolver os problemas de todos que os procuram e jamais irão utilizar esse meio bestial e diabólico para ajudar as pessoas.

Nos animais vivem espíritos embrionários. São nossos irmãos menores. É criminoso sacrificá-los com objetivo ritualístico. Proteja-os sempre.

8 - Se no ambiente você perceber fofocas, críticas destrutivas ou ciumeiras entre os médiuns, vá embora! Se na corrente de médiuns não existir harmonia, eles não conseguirão transmitir coisas boas ou harmonia.

9 - Se o dirigente do templo, ou entre os médiuns (eles ou elas) você perceber que são metidos a conquistas amorosas, retire-se imediatamente! Nesse local reinam espíritos conhecidos como vampiros, os quais vampirizam sexualmente suas vítimas.

10 - Tenha muita cautela se o templo atender seus freqüentadores com espíritos conhecidos como Exús ou Pomba Gira. O elemento Exú não pertence ao desenvolvimento dos rituais de Umbanda, rituais conhecidos como trabalhos, a função deles no desenvolvimento dos trabalhos é outra. 

O elemento Exú comparece aos rituais de Umbanda apenas na função de auxiliar na guarda das portas dos templos de Umbanda, aliado às falanges de Ogum (O responsável pela manutenção da lei e da ordem no mundo astral), ou ainda, é utilizado em descarregos pesados de pessoas e ambientes. Isso, porém, só ocorre a portas fechadas, com autorização dos Guias de luz e sem atendimento ao público. 


Quando espiritos entitulados Exús ou Pomba Gira, atendem às pessoas ou dão consultas, nesse local normalmente é praticada a Quimbanda. Como o leigo não tem como distinguir as diferenças entre Umbanda e Quimbanda, mais vale o ditado de que o seguro morreu de velho, nesses locais normalmente só existe sofrimento e vampirização.

Comentário do Pai de Santo sobre este tópico
.

Muitas pessoas entram em contato conosco sobre o assunto exús. Alguns indiginados nos dirigem palavras muitas vezes ofensivas tomando a defesa de suas casas e dos exús que nessas casas trabalham o que é compreensível, afinal sempre tomamos a defesa dos que nos são caros.


Mas se para voce exú é aquele ser marginal do astral, demonstrado nas imagens a venda no mercado com chifres, crânios, punhais, tridentes, etc. Que comparecem aos rituais para encher a cara e atender pedidos de baixa moralidade. E a pomba gira (Bombo Gira) é o espirito da mulher que em vida foi a prostituta, você não deve ficar indignado.

Indignados devem ficar todos aqueles que sabem QUEM SÃO e o QUE SÃO OS EXÚS e qual a sua real função nos templos de Umbanda.

Os que desconhecem essas funções, desconhecem também que os exús são amplamente mistificados por outras categorias de espiritos muito inferiores, (conhecidos como Quiumbas, Kiumbas e Rabos de Encruza) que aferrados aos vicios da matéria, vampirizam aos homens em suas energias e são eles que pedem os despachos e as matanças de animais em busca do "tonus vital" de baixa qualidade contido no sangue dos animais. Em troca do tonus vital, prometem aos homens um sem fim coisas que o merecimento dessas pessoas lhes nega e nessa situação tem inicio a deturpação de nossos rituais.


Os verdadeiros exús não comparecem aos nossos cultos para trazer o homem ou a mulher dos sonhos de alguém de volta em 7 dias, destruir uniões ou sociedades, enfim, prejudicar as pessoas.


E acima de tudo, se um templo tem um dirigente de luz, conhecido como "guia chefe", (caboclo, preto velho ou criança) por qual razão esse guia de luz permitiria esses pedidos em sua casa, casa que possui um altar, onde acima de todas as imagens está a de Jesus (Oxalá) que pregou aos homens "o perdão sem limites".


Nessas giras de exú reinam a vaidade e o orgulho dos médiuns que dela participam, que vestem-se de vermelho e negro e outras vestem-se ricamente, exigem bebidas finas (
que não existiam na África), cigarros finos, piteiras, etc. Tudo isso é fantasioso e não reflete os exús verdadeiros, reflete aqueles que desejam ser como eles.

Ser exú não é uma questão da indole de um espirito, indole que o inclina para o mal.

Para ser exú são necessários altissimos conhecimentos das leis de causa e efeito do mundo astral, conhecimentos que para o leigo é chamado de magia e esses conhecimentos que não estão a disposição de qualquer um, em decorrência dessa lógica, NÃO É QUALQUER UM QUE CONSEGUE SER UM DELES.

Aprendi que função básica dos exús é a defesa de um templo ao lado das falanges de Ogum e a defesa da corrente formada pelos médiuns desse templo, fora isso, nas giras de exú o perigo das mistificações (
nos dois mundos) é muito grande e também é, muito perigoso.

Para os exús valem duas regras:

1 - Exú não é brinquedo (Com eles ninguém brinca).
2 - Exú não gosta de vagabundos (De qualquer tipo)

Raciocine!

Se aquilo que você vê na Iternet, em videos  como do Youtube retratando exús e pomba gira está bom para você, então NÃO fique  indignado.

Indignados portanto, devem ficar os verdadeiros exús, que são amplamente mistificados por maus médiuns, kiumbas e quiumbas.

Minha opinião a respeito do que escrevo, retrata o meu modo de enxergar a vida e também, do que vi na vida em visitas a terreiros que se diziam de Umbanda (e foram mais de 500), portanto, discordar do que escrevo é seu direito, mas se, ou quando o fizer, faça-o com respeito.

"Este site não foi montado com o objetivo de denegrir ou ofender a nossa VALOROSA linha de exús" e sim, ajudar  (embora não precisem) a defendê-los das mistificações feitas em seus nomes".


11
- Se nesse local falarem exageradamente e a todo instante de fatos ou milagres relacionados aos Guias ou aos médiuns da casa, vá embora! Ninguém faz propaganda, a menos que precise vender.

12 - Se o dirigente do templo (ele ou ela) bajula os ricos e poderosos e trata os mais humildes com descaso, vá embora! Ele (a) é safado e mau caráter e desconhece sua posição insegura e transitória neste mundo. Na realidade, trata-se de um grande infeliz que responderá exemplarmente no mundo espiritual, por ter sido rapineiro com seus semelhantes. A missão do médium chefe de um templo de Umbanda é sacerdotal, desta forma, essa missão vem do berço. O médium chefe, uma vez consciente de sua missão mediúnica, jamais discriminará qualquer pessoa, seja ela rica, pobre, branca, negra, homem, mulher, etc., já que conhece as leis de causa e efeito de nosso poderoso Pai.

13 - Se o ambiente não for amigável e estiver sujo, saia imediatamente! Bons espíritos não habitam e não freqüentam lugares sujos. O templo pode ser humilde, isso não importa. O importante é que esteja limpo e organizado.

14 - Se um templo não transmitir a fé em Deus, em Jesus Cristo e nos Orixás, procurando desta forma lhe transmitir assuntos sérios como a caridade, a fraternidade, o perdão e o amor ao próximo e transmitir a idéia de fanatismo, vá embora!  Compreenda que existe diferença entre fé e fanatismo. O fanático não distingue a verdade da impostura e torna-se vítima de espertalhões e obsessores.

15 - Se num templo, tentarem lhe incutir medo mediante argumento do tipo "se você não fizer isso ou aquilo, vai lhe acontecer isso ou aquilo" é sinal que esse templo não é aconselhável, uma vez que o dirigente do templo e seus médiuns são fanáticos. Vá embora desse local.

Para distinguir um templo de Umbanda verdadeiro, é simples:

Se o dirigente do templo e os médiuns forem fisicamente limpos, mesmo que pobres, fique! A condição financeira de uma pessoa não é prova de sua força mediúnica e sim, de sua prova na vida. Existem templos de Umbanda muito humildes, dirigidos por gente muito humilde e são templos sérios, quando dirigidos por gente séria.
O dirigente de um templo (Pai de Santo, médium chefe, etc.) é a viga que o sustenta em pé. Se forem pessoas moralmente corretas dificilmente praticarão coisas imorais ou negativas.

Procure descobrir ou saber quem são eles.

Antes de depositar total confiança em seus conselhos ou trabalhos.

E, acima de tudo, nunca pague por nada que receber na Umbanda. Na Umbanda tudo é de graça. Compreenda que Deus não quer o seu dinheiro, quer apenas a sua fé, a sua devoção e o respeito pelas coisas Santas. Não há necessidade de pagar por nada na Umbanda. Nossa religião não aceita dízimos, não quer ofertas ou doações. Os templos sérios, dirigidos por médiuns sérios, são mantidos através da associação de seus médiuns e de seus freqüentadores, sendo essas pessoas as responsáveis pela manutenção do templo (água, luz, impostos, velas, ajuda em alimentos a pessoas necessitadas, medicamentos, etc.). Em hipótese alguma os médiuns que formam a corrente mediúnica de um templo sério aceitarão dinheiro, presentes ou agrados de qualquer espécie.

Para alguns seres humanos desprovidos de qualquer respeito pelas "coisa santas" a Umbanda é um  meio de vida, já que incapazes de trabalhar honestamente como a maioria das pessoas decentes, se dizem médiuns e se valem do fanatismo e da credibilidade das pessoas que os procuram para explorá-las financeiramente e esses exploradores desconhecem o futuro tenebroso que os aguarda por terem usado uma religião como meio de ganhar dinheiro. São classificados como mistificadores e atraem para perto de si mesmos um mundo espiritual também mistificador que os assedia constantemente e os mantém no erro.
Para esses só existe um sentimento a ser dispensado:

A piedade!

Para outros mais, a Umbanda é um meio que possuem para estravasar suas fantasias mentais, representando entidades espirituais normalmente da esquerda, se vestem de vermelho e negro, usam adornos caros e tentam a todo custo mostrar as pessoas que os procuram o que não são.


Não fogem a regra de serem mistificadores e como no caso acima, se cercam de um mundo espiritual também altamente mistificador, atraem para perto de si os quiumbas, os kiumbas e os rabos de encruza, que dia após dia traçam a estratégia que os leva a miséria em todos os aspectos, mas mesmo assim, colocam o orgulho, a vaidade e o egoismo direcionando os caminhos da própria vida e para esses só se pode dispensar um sentimento:

A piedade!

Mas para outros, que sinceros e cientes de quem são (espiritos em provação) e do que são (médiuns de Umbanda) a missão mediunica lhes corre nas veias e para eles é um sacrilégio e um desrespeito sem limites, permitir que o nome da religião que abraçaram nesta existencia seja alvo de pessoas mesquinhas e exploradoras, pessoas infelizes e incautas que usam o nome da Umbanda para praticar imoralidades.

Para os médiuns sinceros da Umbanda só se pode dispensar um sentimento:

Axé! (força)

Para os maus e para os exploradores que se valem do nome Umbanda para praticar imoralidades vale a frase abaixo dita pelo Exu da Capa Preta em uma de nossas reuniões quando indagado sobre os imorais no ambiente umbandista:


"Em nosso meio existem pequenas mentes que deveriam habitar pequenos corpos, como exemplo: "Corpos de Amebas" já que infectam e infestam  o ambiente da Umbanda Sagrada".

Exu da Capa Preta - (Exu Lebará do Núcleo Umbandista São Sebastião)

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Curso Virtual: Pomba Gira e Exu Mirim


POMBA GIRA & EXU MIRIM
- À Luz da Umbanda -

O propósito e objetivo deste curso é desmistificar estas duas entidades de Umbanda e passar um conhecimento de quem são, onde atuam, qual sua relação com os Orixás; como, porque e onde evocar, oferendar, firmar e assentar.

QUAL A RELAÇÃO ENTRE:
Pomba Gira – sexualidade, estímulo e desejo?
Exu Mirim – as crianças, os encantados e a esquerda?

PROGRAMA DO CURSO:

Aula I – (29/08)
- A origem do nome Pomba gira
Pomba Gira na Origem da Umbanda
Pomba Gira Companheira de Exu
Mulher de Sete Maridos?
Repressão, Feminismo e Pomba Gira

Aula II – (05/09)
- O Orixá, O Trono e o Mistério Pomba Gira
Divindade Exu e Pomba Gira – Dois Mistérios Sagrados
Pomba gira Guardiã do Axé dos Orixás
As 7 Guardiãs Planetárias e as 14 Guardiãs de Orixá
Pomba Gira Guardiã, Pomba Gira Natural e Pomba Gira de Trabalho na Umbanda

Aula III – (12/09)
- A Saudação, O Tridente, A Oferendaa
- Firmeza e Assentamento;
Fatores e Verbos do Mistério Pomba Gira

Aula IV – (19/09)
- Firmezas, Assentamentos e Oferendas;
- Orixá Relacionado a Exu Mirim – Orixá Exu Mirim;
- Firmeza e Oferenda
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...